Uncategorized

Preocupações e sobrevivência

Duas matérias que saíram nos últimos dois dias indicam que as campanhas para a próxima eleição da CBDA estão ganhando destaque.

Uma foi no Correio Braziliense, dia 11 de setembro, segunda-feira, e apresenta os dois candidatos (um com chapa já registrada mas mantida em segredo e outro com chapa para registrar, aguardando o secreto Regimento Interno) à presidência.

correio-braziliense

Coaracy anuncia seu indicado, Ricardo de Moura, atual superintendente executivo e que também responde – por procuração – à presidência, que por sua vez diz que está “superpreocupado” com o futuro da própria CBDA e com o patrocínio dos Correios. Do outro lado está o atual presidente da Federação Aquática Paulista, Miguel Carlos Cagnoni. Ambos deixam claro que não há como trabalharem juntos.

Moura ainda cita que não irá perder tempo com este site e afirma que “artimanha” é um termo extremamente equivocado e infeliz, além de que nós demonstramos total desconhecimento dos procedimentos e das nomas legais.

A outra matéria é da coluna Panorama Esportivo, do jornal O Globo, e trata do problema da natação atual:

http://blogs.oglobo.globo.com/panorama-esportivo/post/com-menos-dinheiro-natacao-olimpica-vai-investir-mais-na-base-para-toquio-2020.html



com-menos-dinheiro-natacao-olimpica-vai-investir-mais-na-base-para-toquio-2020-panorama-esportivo-o-globo_page_1

com-menos-dinheiro-natacao-olimpica-vai-investir-mais-na-base-para-toquio-2020-panorama-esportivo-o-globo_page_2

com-menos-dinheiro-natacao-olimpica-vai-investir-mais-na-base-para-toquio-2020-panorama-esportivo-o-globo_page_3

O foco da matéria é mostrar a preocupação de Ricardo de Moura – principal responsável da CBDA nos últimos 2 anos pelas execuções de projetos, recursos e funcionários – com o futuro.

Além de centralizar a busca pela solução somente nele, coloca um objetivo bizarro para 4 anos (“um nadador referência”), diz que é preciso fomentar a base (investindo novamente em atletas da elite, já formados, com a diferença que são menores de 21 anos hoje), que é preciso conversar com o COB sobre a redução de verbas, que os Correios acreditam no “valor de formação do esporte”, que AGORA é preciso trabalhar com eficiência, e AGORA é preciso ouvir os clubes e inclusive colocá-los na mesma “filosofia” que a CBDA trabalha, porque senão “não vou conseguir”.

É escancarado o discurso centralizador, como se toda a natação do país dependesse somente dele. É ele que tem o problema, é ele que está buscando a solução, é ele que tem que se preocupar e é ele quem tem que conversar com os clubes agora.

Presidentes de federações aquáticas, por acaso leram alguma coisa referente à vocês, já que são o segundo escalão da hierarquia da CBDA?

Aí vem uma sequência de jargões:

  • Teremos que fazer mais com menos
  • Ser eficiente é a tônica do próximo ciclo
  • Qualidade, não quantidade
  • Não gastaremos vela com mau defunto
  • Teremos que aprofundar o trabalho com os clubes
  • Alinhar a filosofia
  • Qual o cenário que vou ter para manter os programas
  • Eu não estou procurando desculpas, estou procurando razões
  • Fazer novas situações de controle
  • Vamos acelerar o desempenho
  • Pôr controle no resultado
  • Fazer programa de resultados
  • Acelerar o desenvolvimento

Ricardo de Moura só não está mais tempo na CBDA que o próprio Coaracy Nunes Filho. Segundo ele próprio, entrou em 1988, enquanto Coaracy está lá desde 1987. Está no mínimo com 20 anos como supervisor de natação, desde os Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996.

E vocês acreditam que, com esse papo de preocupações e sobrevivência, com essa mentalidade no comando da entidade, AGORA haverá esperança de profissionalização e gestão eficiente?

Não acreditamos.

1 Comment
  1. Roberto Caminha Filho 5 anos ago
    Reply

    Ninguém deveria se preocupar com o futuro da natação brasileira. Ele será negro se imitar o presente. A natação é um dos poucos esportes que se paga na hora de nadar.
    Levanta-se o custo do ano, divide-se pelo total de provas a serem nadadas e a salvação estará à sua frente. A salvação vem da largada dos índices e maior entrada de nadadores. A CBDA não gosta de competições com muitos nadadores. É a causa de termos nadadores sobrando até 50m.
    Essa invenção já aconteceu antes. O Dr. Dinard colocou essa preocupação durante um Norte/Nordeste, em Salvador. A chapa do Coaracy, encabeçada por mim no Norte/Nordeste, sugeriu e fechou questão com o grande Presidente. A reunião foi realizada com o Secretário de Esporte do DED, Bruno da Silveira, presente.
    O Dr. Dinard agradeceu, nos convidou para um jantar, e a natação continuou forte.
    A natação não conseguirá afundar… mais.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may also like