Uncategorized

A UTI da CBDA

O custo do Troféu Maria Lenk 2016 – Seletiva Olímpica – nunca será bem digerido.

screen-shot-2016-11-04-at-18-16-41

Foram R$ 815.994,73 gastos numa competição onde não se pagou pelo aluguel do local e não foi permitido público geral.

Os únicos valores apresentados acima que parecem ter bom senso são:

  • SONORIZAÇÃO: R$ 1.200,00
  • MEDALHAS E TROFÉUS: R$ 11.694,00

Os outros custos são suspeitos. R$ 170 mil em hospedagem pra quem? A grande maioria dos funcionários são do Rio de Janeiro (há relatos de que funcionários da CBDA hospedam-se em hotéis mesmo quando a competição é na própria cidade). Funcionários da Omega, sistema de cronometragem usado no Maria Lenk? Que sejam 10 pessoas, por 14 dias. Isso dá uma média de diária individual de R$ 1.241. Um pouco salgado mesmo para os parâmetros da ex-cidade olímpica.

R$ 48 mil de passagens e transporte. Passagens de quem? O transporte envolvido parece ser o terrestre, a van do tipo “leva-e-traz” para o Parque Olímpico.

Quase R$ 300 mil em serviços de terceiros, incluindo aí os árbitros. A arbitragem custou R$ 1.080 pelos 6 dias de competição:

contrato-arbitros-2016_page_1

Digamos que sejam 60 árbitros, o que é muito. Daria R$ 64.800 de custo com pessoal terceirizado. O resto (R$ 232 mil) é um obscuro buraco. Montadores? Seguranças? Dentre as despesas de uma competição oficial estadual, a maior delas é sempre a despesa de arbitragem. Então o que justificaria esse gasto de R$ 232 mil em serviços terceirizados?

Depois temos R$ 43.803,98 em despesas com material esportivo e vestuário. Material esportivo pode significar touca, óculos e equipamento de cronometragem. Vestuário é difícil de acreditar que seja tudo, já que nem público havia para distribuir camisetas promocionais.

R$ 72 mil em outras despesas, além de R$ 78.888,08 (um número místico) em despesas com locações – provavelmente gerador de energia que se vocês se recordarem não adiantou muita coisa e acabou a luz mesmo assim – são também obscuras.

https://www.youtube.com/watch?v=me9a43ZvypM

R$ 4.696,80 de despesas com carreto e frete também parece ser justificado pelo frete do equipamento Omega a ser montado na piscina.

E por último, onde quero chegar: a UTI. Foram gastos 86.995,00 em ambulância/unidade móvel.

É um valor extremamente fora do comum.

Consultamos as pessoas que estiveram presentes no Troféu Maria Lenk. Todas confirmaram: havia UMA ambulância disponível.

Então deve ser um valor padrão.

Não.

Nas outras modalidades o valor difere também. Inclusive nem existe este item na modalidade que mais precisa de UTI no local, maratonas aquáticas!

Saltos ornamentais gastaram irrisórios 300 reais com UTI:

screen-shot-2016-11-04-at-18-15-39

NÃO HOUVE DESPESAS EXPLÍCITAS COM AMBULÂNCIA/SERVIÇO MÉDICO LOCAL/UTI EM MARATONAS AQUÁTICAS! (Balancete até julho de 2016, ou seja, depois de 4 etapas da Copa Brasil e 3 etapas do Campeonato Brasileiro)

screen-shot-2016-11-04-at-18-15-33

Na natação, até julho, a despesa de UTI foi “somente” do Troféu Maria Lenk:

screen-shot-2016-11-04-at-18-15-23

Já o polo aquático teve uma despesa razoável com UTI, R$ 5.600,00 em 6 meses:screen-shot-2016-11-04-at-18-15-17

Agora o nado sincronizado teve uma despesa 46 mil reais maior que a da natação, e de acordo com o calendário, a única competição que foi executada pela CBDA de janeiro a junho foi a seletiva mundial da modalidade, ocorrida de 2 a 6 de março:

screen-shot-2016-11-04-at-18-15-07

Então vejam que pela natação, o custo de uma UTI por dia de competição ficou em R$ 14.492. No nado sincronizado, pior ainda: o custo da UTI ficou em R$ 26.726!

Que se justifique que não era uma ambulância – unidade móvel – por dia, mas que fossem 3, ou até 4. Ainda assim custaria R$ 3.623 por dia no Troféu Maria Lenk e R$ 6.681 por dia de competição na seletiva FINA do nado sincronizado!

É um valor tão irreal?

Consultamos a vencedora da licitação, A B C Remocor, que nos enviou um orçamento para 6 dias de competição, das 7 às 18 horas, nos mesmos termos da licitação da CBDA para o Troféu Maria Lenk 2016 (você pode conferir os documentos da licitação aqui e o resultado da licitação aqui, confirmando que o que foi solicitado para o Maria Lenk foi apenas UMA ambulância).

O valor informado: R$ 1.650 por dia.

screen-shot-2016-11-04-at-19-23-22

Numa consulta à outra Confederação, a de Desporto Escolar, ela também fez uma licitação para o Campeonato Mundial de Vôlei de Praia Escolar em 2015 e na licitação, o valor máximo dos serviços de UTI móvel para uma competição de 8 dias foi R$ 35 mil.

screen-shot-2016-11-04-at-19-28-38

Qual a conclusão que chegamos então?

  1. A competição Troféu Maria Lenk 2016 saiu caríssima
  2. A seletiva mundial FINA de nado sincronizado saiu ainda mais caríssima
  3. Os valores de UTI apresentados no balancete da CBDA são suspeitos, cujo princípio da “impessoalidade, moralidade e economicidade, conforme o critério do menor preço” que exige o edital de licitação parece desconsiderar o valor de mercado e a experiência da Confederação com os valores já praticados e exigidos em pelo menos 8 anos
  4. A CBDA pagou um valor de mais de 800% maior que o praticado normalmente pela mesma empresa fornecedora de serviços e quase 250% maior que o exigido por outras confederações
  5. Pateticamente dizer que a CBDA está em crise financeira a um dia do início das competições de natação dos Jogos Olímpicos Rio 2016, baseado no que se gastou anteriormente, é contraditório, pois a única culpada pela própria crise é a própria CBDA e seus gestores, que irresponsavelmente gastaram mais do que os preços praticados pelo mercado

Quer dizer, gastaram ou superfaturaram. A segunda opção foi provada pelo Ministério Público Federal na denúncia que afastou temporariamente o presidente, o vice, o diretor financeiro e os coordenadores técnicos da natação e polo aquático.

E qual seja a verdade, o fato é que gastou-se demais, produziu-se de menos e demonstraram uma incompetência (ou má-fé) em gerir grandes recursos financeiros disponíveis de diversas fontes.

1 Comment
  1. SqN 5 anos ago
    Reply

    Não existiu frete nenhum de equipamentos OMEGA, pois fazia parte do pacote RIO2016. O que deve ser apurado também foi o repasse que o Rio2016 fez à CBDA! Todos os funcionários CBDA se hospedaram num top hotel ao lado do parque olímpico, e lá faziam igualmente as refeições. Gastaram com área VIP é certo, distribuíram água que o Rio2016 não forneceu, porém a grande maioria dos pallets foram devolvidos. Tinha de ter ambulância, imprimiram os ingressos, vestuário? Há devem ter incluído conjunto de uniformes novos de árbitros, passagens? Há tah, olhar os vídeos e ver o que foi adicionado de layout e Look … boa

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may also like